Translate

Google+ Badge

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Autistas na escola: Como estimular a comunicação

Oi pessoal!

O número de crianças autistas em escolas regulares está aumentando e muitos professores não sabem trabalhar de forma diferenciada com esses alunos e eles acabam sendo esquecidos na sala de aula. Pra mim isso é um absurdo, todos tem o direito à escola, todos tem o direito à educação, portanto é dever do professor promover estímulos e adaptar as aulas para que todos possam ter uma boa aprendizagem.

As estatísticas mostram que 0,6% da população mundial sofre autismo, um transtorno global do desenvolvimento com déficits nas áreas de comunicação, interação social e uso da imaginação. Essas características são presentes antes dos 3 anos de idade e é quatro vezes mais comum em meninos do que em meninas. As características que identificam o transtorno podem varias de acordo com o nível de autismo, porém as mais comuns são: dificuldade de manter contato ocular, atraso ou não no desenvolvimento da fala, isolamento e entre outros. Essas informações não são achismo e sim dados obtidos segundo a coordenadora pedagógica da Associação Brasileira de Autismo (ABRA) Carlina Dutra Ramos.

E como um professor de educação infantil, pode trabalhar para que esse aluno possa se desenvolver? O post de hoje tem algumas dicas, acompanhe!

Ao falarmos de inclusão logo se pensa que são crianças autistas na escola, não é isso, todos nós temos nossas limitações e quando falamos de inclusão é promover a igualdade e olhar individualizado ao aluno. Mas infelizmente não é isso que acontece, o professor pela falta de conhecimento e por uma má formação, abandona os alunos que apresentam dificuldades na aprendizagem e não buscam recursos necessários para ampliar o conhecimento. Não sou totalmente a favor da inclusão, pois os professores não são qualificados para atender as necessidades das crianças, porém acredito que é necessário que alunos tenham contato social com outras crianças para que possam se desenvolver de forma natural com a sociedade.

Dicas:

·         Os ambientes devem ter pouco estímulos visuais;
·         Cuidar da poluição sonora, alguns autistas sofrem com sons altos, gritos e música alta;
·         Ter maior acesso em ambiente que se sintam seguros;
·         Aceitar sua forma de expressão, ao invés de força-los a mesma comunicação que outras crianças fazem.

COMO TRABALHAR COM OS PECS – Sistema de comunicação por troca de figuras
  •     O trabalho com os PECS começa por encontrar coisas que atraem as crianças. Podem ser alimentos, bebidas, brinquedos, livros, ou qualquer coisa que busquem e gostem de ter.
  •       Despois que o professor souber o que a criança quer e gosta, ela faz a imagem, com figuras ou fotografias.
  •    Suponhamos que ela queira brincar com um carrinho, o professor orienta a apanhar a imagem do carrinho e faz as intervenções: - o que tem o carrinho? Se a criança insistir no carrinho e mostrar colocando a mão, o professor continua a questionar: - você quer o carrinho? E assim já oferece o carrinho para ela.
  •  Desta forma lentamente e com a ajuda das intervenções do professor, logo a criança começa a interagir automaticamente e independente sobre as figuras, mostrando a imagem para se relacionar.


Antes de buscar recursos diversificados para as crianças autistas é necessário o diagnóstico e uma avaliação para ver o que sabe e o que não sabe em relação a sua idade. Porém não devemos focar apenas no pedagógico, mas em atividades para vida prática e básica, onde deve ser estimulado a desenvolver autonomia, compreensão de ordens simples, os cuidados com determinados objetos, os ambientes que frequentam, saber ouvir e entender as pessoas, entre outras questões que são de importância para sua vida social.
Não devemos por limitações a eles, pois são capazes de realizar grandes coisas. Devemos ter a sensibilidade e entender os pais que ao saber da dificuldade de seu filho, passa por um período de luto e rejeição, com isso o professor deve estar preparado para saber orientar e informar a família sobre qualquer ação da criança e assim fazer um trabalho em conjunto para que essa criança tenha um bom desenvolvimento.

Espero que tenham gostado do post.


Beijinho*

Nenhum comentário:

Postar um comentário